27º Grito dos Excluídos e Excluídas - 2021 “Vida em primeiro lugar”

A pandemia da Covid-19, que já matou mais 580 mil pessoas, expôs de forma abrupta as faces cruéis da extrema desigualdade social, econômica e racial e, também, revelou o desprezo e descompromisso dos governantes com a vida humana da população que cotidianamente sofrem a exclusão dos seus direitos.

Grande parcela da população, especialmente urbana, trabalha no mercado informal sem seguridade social, utiliza de transportes públicos abarrotados e mora em condição precária foram as mais atingidas pela letalidade da Covid-19 e as mais afetadas pelo desemprego rebaixamento salariais e a fome.

A exclusão social no Brasil é fruto do sistema econômico que para manter a ganância dos poderosos retira os direitos dos trabalhadores, violenta a dignidade humana dos pobres e naturaliza as injustiças, o racismo estrutural, a violência de gênero e a criminalização das resistências populares.

Todos nós fomos gerados pelo Criador para ter a vida em abundância, isto é, ter saúde, ter moradia, ter trabalho e renda digna, segurança alimentar e viver a cidadania plena, não podemos aceitar que nenhum dos nossos irmãos e irmãs sejam excluídos e excluídas.

A pandemia nos ensinou nas famílias, nas comunidades, nas ruas e nas cidades que a solidariedade e da empatia compartilhada é uma força de resistência e transformadora que protegeu milhões de vidas.

Neste momento, de tantas mortes, ampliação das desigualdades, crescimento da miséria, perseguição ao diferente, ampliação do feminicídio e incentivo ao ódio, colocar a “vida em primeiro lugar” exige de cada um de nós e entrar na luta, dar eco as nossas vozes no manifesto pela justiça, igualdade e fraternidade.

O Grito dos Excluídos é dar voz as mulheres marginalizadas pela vida plena, é acreditar na vida é a manifestação do amor ao próximo.


Luiz Kohara

Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos

48 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Em Defesa da Vida da População em Situação de Rua

Na madrugada fria e chuvosa do dia 22/8/2020 pelo menos 5 pessoas em situação de rua morreram no centro de São Paulo. Mas quem as matou não foi o frio ou a chuva, pois o frio e a chuva são o mesmo par