Campanha da Fraternidade em tempos de COVID-19 traz reflexão acerca da solidariedade

O lema: “viu, sentiu compaixão e cuidou dele”, extraído da Parábola do Bom Samaritano (Lc 10,33-34), nos conduz a ser presença amorosa de serviço na vida dos que sofrem vulneráveis e abandonados socialmente. “Ver, compadecer-se e cuidar” são compromissos indispensáveis à vida cristã e devem ser reassumidos com entusiasmo em tempos de crise e pandemia.

Fabricia a esquerda ao lado das irmãs Elizangela e Maria de Lourdes, da CSC A Pastoral da Mulher Marginalizada em parceria com o Instituto das Irmãs da Santa Cruz tem produzido semanalmente um kit alimentação que é entregue a população em situação de rua, no Largo São Francisco, durante a pandemia. O Instituto das Irmãs da Santa Cruz também colabora com outras iniciativas sociais em tempos de COVID-19. Com a parceria firmada, Fabricia tem trabalhado e mantido contato com as populações desabastecidas do centro histórico da cidade, seguindo as ordens de segurança para com o uso de máscara e luvas, ela demostra entusiasmo e coragem diante do desafio. “Diariamente, Deus nos concede uma oportunidade de sermos presença solidária e humana do amor partilhado. Todo dia Deus nos convida a doar um sorriso, um pouquinho do nosso tempo e da nossa atenção, uma prece, uma ligação que leve uma palavra de consolo, gestos que revelem o olhar caridoso e misericordioso de um Deus que nos ama e caminha conosco”, comenta. Quando se pensou a Campanha da Fraternidade, não se imaginava vivê-la em meio à pandemia do novo coronavírus atravessando o sentimento de dor e apreensão do povo brasileiro. Como salienta o Papa Francisco. “Não há como passar adiante e fingir que não vê, olhando só para si, numa prática de indiferença ou insen


sibilidade diante da dor alheia (que pode ser também a própria)”. A coordenadora também ressalta o testemunho profético de Santa Dulce dos Pobres, para nos encorajar neste momento “seguir em frente e ter a certeza de que apesar de às vezes estarmos no escuro, o sol vai voltar a brilhar”. Texto| Mayara NunesCampanha da Fraternidade em tempos de COVID-19 traz reflexão acerca da solidariedade

O lema: “viu, sentiu compaixão e cuidou dele”, extraído da Parábola do Bom Samaritano (Lc 10,33-34), nos conduz a ser presença amorosa de serviço na vida dos que sofrem vulneráveis e abandonados socialmente. “Ver, compadecer-se e cuidar” são compromissos indispensáveis à vida cristã e devem ser reassumidos com entusiasmo em tempos de crise e pandemia. Para Fabricia Paes, coordenadora da Pastoral da Mulher Marginalizada, a campanha nos convida a refletir sobre uma mudança de perspectiva para com o mundo em que vivemos. “A pandemia do Covid-19, expôs todas as mazelas da nossa desigualdade social, mas também, tem nos possibilitado descobrir qual o nosso ol


har diante desse momento tão complexo. Tempos de incertezas e de oportunidades para vivenciarmos o olhar da esperança e da fé. De acreditar que somos capazes de transformar o meio em que vivemos para o bem comum. De viver um olhar solidário capaz de cuidar do outro, despertando em cada um de nós uma solidariedade social, reconhecendo e enxergando a dignidade da pessoa humana, imagem e semelhança de Deus”, medita. A Pastoral da Mulher Marginalizada em parceria com o Instituto das Irmãs da Santa Cruz tem produzido semanalmente um kit alimentação que é entregue a população em situação de rua, no Largo São Francisco, durante a pandemia. O Instituto das Irmãs da Santa Cruz também colabora com outras iniciativas sociais em tempos de COVID-19. Com a parceria firmada, Fabricia tem trabalhado e mantido contato com as


populações desabastecidas do centro histórico da cidade, seguindo as ordens de segurança para com o uso de máscara e luvas, ela demostra entusiasmo e coragem diante do desafio. “Diariamente, Deus nos concede uma oportunidade de sermos presença solidária e humana do amor partilhado. Todo dia Deus nos convida a doar um sorriso, um pouquinho do nosso tempo e da nossa atenção, uma prece, uma ligação que leve uma palavra de consolo, gestos que revelem o olhar caridoso e misericordioso de um Deus que nos ama e caminha conosco”, comenta. Quando se pensou a Campanha da Fraternidade, não se imaginava vivê-la em meio à pandemia do novo coronavírus atravessando o sentimento de dor e apreensão do povo brasileiro. Como salienta o Papa Francisco. “Não há como passar adiante e fingir que não vê, olhando só para si, numa prática de indiferença ou insensibilidade diante da dor alheia (que pode ser também a própria)”. A coordenadora também ressalta o testemunho profético de Santa Dulce dos Pobres, para nos encorajar neste momento “seguir em frente e ter a certeza de que apesar de às vezes estarmos no escuro, o sol vai voltar a brilhar”. Texto Mayara Nunes


4 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

© 2019 |  Pastoral da Mulher Marginalizada | PMM  Nacional 

Receba nosso Boletim 

Secretariado Nacional

CNPJ: 06166260000118

Rua Guilherme Maw, 64 casa 20

Bairro Luz – São Paulo – SP

CEP: 01105-040

Tel: (11) 3326-0663

pmm@pmm.org.br

Tel.

(11) 3326-0663